Criaturas da Noite, Especial Halloween

Postado em sexta-feira, 31 de outubro de 2014
Estava a procura de uma TAG legal para colocar aqui no blog sobre o Halloween e encontrei a Criaturas da Noite zapeando pelos canais do youtube internacional, logo de cara adorei, pois não fala de livros de terror ou do gênero, já que eu descobri que nunca li nenhum livro de terror. Oh, que horror! Essa é mais voltada para os livros fantásticos e suas criaturas sobrenaturais. 

Feliz Dia das Bruxas à todos os queridos leitores do TriBooks!!


Vampiros:

Resenha

Como não leio muitos livros com a temática "vampiros", A Menina Mais Fria de Coldtown foi a leitura desse ano que eu gostei com essa temática e um pouco de sinistro de Holly Black.

Lobisomens:


Por que o professor Lupin é o lobisomem mais da hora da literatura!

Zumbis:


Os andantes! Walkers! Biters! Apesar da palavra zumbi jamais ser mencionada, os mortos-vivos estão por todos os lados na história de The Walking Dead. Sou viciada na série e já li alguns quadrinhos. Top! Top! Top! Para esse Halloween!!

Fantasmas:


Jesse, mi hermoso! O fantasma mais sexy da literatura.

Bruxas e Magos:

Harry Potter! Ok, não vale mais de uma vez, eu sei. Então o escolhido será:



Fadas:


Está aí um tema não muito lido por mim. Já li os livros da Carolina Munhoz, mas não gostei muito da escrita apesar da criatividade ser muito boa. O que mais chegou a me cativar é a série Wicked Lovely da Melissa Marr e mesmo assim até agora só li o primeiro livro.

Demônios:


O livro queridinho do ano! Já até comprei o segundo para ler, porque esse livro é demais! Meus demônios favoritos s2

Anjos:


Para sempre até o fim! Barnabas estará no meu coração até meu túmulo. Anjo mais cool de todos!

Aliens:

GENTE! Eu nunca li nenhum livro de Alien! Precisando de indicação urgente, deixem nos comentários!

Humanos com Super Poderes:




Por que as habilidades dele não são humanas, minha gente! O detetive mais charmoso por sua inteligência da literatura. O super (anti) herói da antiga Londres. 

Cinco Livros que Fizeram eu Deixar as Histórias de Lado e Conhecer Lugares

Postado em
Sempre tem aqueles livros que se passam em algum local notável, ou mesmo que se passe em algum lugar que não chama tanta atenção, mas o livro se transforma em seu favorito e quando você vê, está lá colocando na lista "lugares para conhecer antes de morrer" os mesmos lugares em que os personagens que te marcaram em tantas histórias também conheceram. 
Qual fã de Crepúsculo que não quis conhecer Forks? Ou quem, após finalizar a leitura de Comer, Rezar e Amar, não quis fechar as malas e embarcar em uma viagem como a personagem? 
Muitas das histórias da qual eu leio, sempre tem algum lugar que marco que quero realmente conhecer depois. Listarei cinco livros que me marcaram de algum jeito e que fizeram com que eu fechasse o livro, pegasse a mala e embarcasse em uma viajem ou que ainda irei embarcar para conhecer. 

1 - Harry Potter




Como qualquer fanática pela história, meu sonho desde os 11 anos de idade era conhecer a estação King's Cross que levava Harry até o destino mágico. Quando completei 21 anos meu sonho se tornou realidade. Morando um mês em Londres, a linha de metro que eu pegava da minha casa até a escola passava pela linha King's Cross que também fica a estação de trem. 


Na época, a estação estava em reforma para se modernizar e eu fui uma das últimas pessoas a ver a estação como ela é descrita nos livros do Harry Potter. Posso dizer que foi uma sensação única, a mágica estava realmente por lá e jamais irei esquecer esse momento. Fui até a plataforma 9 3/4, mas infelizmente o portão estava fechado e não consegui atravessar. 

2 - O Conde de Monte Cristo



Andar nas ruas parienses que Edmond Dantes também andou não foi uma experiência fantástica como eu esperava que fosse. Não gostei da cidade de Paris, mas desde que havia lido O Conde de Monte Cristo, sempre quis conhecer o charme da cidade luz. Alguns lugares mencionados no livro, como o jardim de Tuileries, fogem do clima estranho de Paris, e me senti encantada andando por aquele parque e imaginando como ele era na época de Alexandre Dumas.



Também fui conhecer o cemitério onde ele e seu filho estão enterrados, mas saí de lá correndo quando corvos começaram a crocitar. Sério, deu muito medo, me senti em um filme de terror.

3 - As Brumas de Avalon



O único lugar que não deu tempo de visitar e até hoje me arrependo de não ter "feito dar tempo". Glastonbury na Inglaterra é onde possivelmente a misteriosa Avalon fica por de trás das Brumas. 



Ainda tenho esperanças de voltar para Inglaterra e riscar esse nome da minha lista!

4 - A Mediadora



Ah, Carmel! Quando fui para os Estados Unidos eu tinha certeza que iria conhecer Carmel. Mas ficando em Nova Iorque, descobri que para se transportar nos Estados Unidos é uma confusão horrorosa e que Carmel ficava só do outro lado (mesmo!) de onde eu me encontrava. 



Uma amiga do facebook mora perto da cidade do Jesse e quando vi as fotos quase morri. Com certeza se um dia eu for para o lado do oceano atlântico nos Estados Unidos, Carmel será visitada!

5 - Amy and Roger's Epic Detour



Esse livro me fez crescer uma vontade imensa de fazer uma road trip. No começo, eu queria que fosse a mesma road trip, pegar o livro e sair atrás dos mesmos lugares que eles conheceram. A famosa estrada mais solitária do mundo, o parque de Yellowstone, as lanchonetes que eles paravam para comer, queria conhecer tudo. Até que fui para os Estados Unidos e o estudo foi muito puxado para conhecer qualquer coisa além dos limites de Nova Iorque, a não ser Boston e a faculdade de Harvard. 



Então decidi esse ano fazer minha própria road trip. Com alguns conselhos que segui do livro de como uma road trip deve ser, peguei duas amigas e parti em uma viajem para o sul do Brasil durante 10 dias. Foi, sem dúvidas, uma das viagens mais intensas e memoráveis da minha vida. Era como se eu houvesse saído do país de novo ou a certeza de que mesmo conhecendo lugares ao redor do mundo e outros continentes, eu não conhecia nada da beleza do meu próprio país. E fiquei encantada com que eu me deparei. 
Depois de Amy and Roger's Epic Detour, todos os livros de road trip são bem vindos na minha estante. 


Resenha - O Homem Perfeito, de Vanessa Bosso

Postado em sábado, 25 de outubro de 2014







Vanessa Bosso me conquistou só por tornar Paraty e Trindade locais para esse chick lit gostoso de ler. 









Conheço a Vanessa Bosso desde quando o blog só tinha dois meses de vida. Ela foi a autora que me fez retirar qualquer preconceito de autores nacionais que tinha enraizado na minha cultura. E desde esse começo, eu leio sem medo qualquer livro dessa autora que é tão boa no que faz.

O Homem Perfeito é uma leitura gostosa, bem no estilo da editora Novo Conceito lançar. Um chick-lit que é de fácil desenvolvimento para o leitor e que em um dia consegue finalizar a leitura. É claro que o toque sobrenatural está ali, bem tímido, mas que conseguimos encontrar espalhados pela história, esse com certeza é o toque especial da Vanessa Bosso. 

Nesse novo lançamento da Vanessa descobrimos Melina, uma moça que acaba de ser despedida do emprego por socar a cara do seu chefe que era nada menos que seu namorado, ou melhor, ex-namorado. Melina volta para sua antiga cidade, Paraty - RJ, e acaba escutando que seu primeiro amor também está de volta na cidade, trabalhando como médico no hospital e noivo da pior espécie feminina que existe no Universo. 

Vanessa acertou em cheio no local para se passar a história. Paraty e a vila Trindade no Rio de Janeiro são uns dos meus locais prediletos no país. E o amor que Melina passa por entre as páginas do livro sobre a cidade, consegue me acertar em cheio e acabo me afeiçoando ao livro.

As personagens, Melina e sua amiga Nanie de personalidades únicas conseguem conquistar qualquer tipo de leitor que procure uma história leve para ler em um final de semana. O Bernardo não foi um dos meus personagens favoritos, o homem perfeito de Melina não me conquistou muito como outros personagens da Vanessa já me conquistaram. 

Ainda que meu livro favorito seja O Imortal, talvez porque foi a primeira leitura que fiz da escrita de Vanessa Bosso, indico O Homem Perfeito para quem quer passar uma tarde com um livro bem leve para ler e passear pelas areias branquinhas e o mar transparente, uma das muitas belezas que Paraty e Trindade oferecem, tudo isso entre a imaginação fértil de nós leitores, apreciando um bom sofá, um ar condicionado, dentro de nossa casa e ao mesmo tempo conhecendo uma história de amor de duas alma gêmeas. 


Informações adicionais: 

Título Original: O Homem Perfeito
Título Nacional: 
O Homem Perfeito
Autor: 
Vanessa Bosso
Lançamento: 
2014
Páginas: 222

Editora: 
Novo Conceito
Categoria: 
Chick-Lit

Formato: Impresso
Skoob

Magisterium Day na Livraria Cultura de Ribeirão Preto

Postado em sexta-feira, 24 de outubro de 2014
A Editora Novo Conceito promoveu um evento do livro Magisterium, lançamento do mês de outubro, das escritoras Cassandra Clare e Holly Black no dia 18 de outubro de 2014. O Magisterium Day ocorreu em várias cidades ao redor do país no mesmo dia, inclusive na cidade de Ribeirão Preto na Livraria Cultura do Shopping Iguatemi. 



O evento foi promovido por Danilo Barbosa representando a editora Novo Conceito e o blog Literatura de Cabeça. Dentre muitos eventos que acontecem na livraria Cultura de Ribeirão Preto, posso dizer que o evento da Novo Conceito foi de longe o mais interativo e interessante de se participar. Eu estava lá como espectadora e pude observar que as duas equipes que formaram para participar da interação estavam super animadas. (Na foto abaixo o evento ainda não havia começado, por isso todos estavam sentados nos seus devidos lugares quietinhos. A bagunça feliz começou minutos depois!)



Com cinco desafios para enfrentar, as equipes precisaram sair em busca de pedras mágicas escondidas entre os muitos livros da livraria, formular frases e encenar, este último com eu, a Maju Raz da Sociedade do Livro e as autoras Vanessa Bosso e Josy Stoque como juízes. Confesso que as meninas que estão sempre com a gente nos eventos, incluindo a Cami do blog Cami Takahashi estavam na equipe 1 o que fez meu voto ser um pouco levado para o lado pessoal. Sorry equipe 2! 
O pessoal da equipe da Livraria Cultura também está de parabéns, por deixar todos a vontade na livraria e não expulsar os doidos que saíram correndo em busca das pedras por todo o canto. 
Um evento para lá de bacana, que contou ainda com um recadinho especial das autoras para os participantes do Magisterium Day. 


E agora... #PartiuLerMagisterium

Três Anos de TriBooks

Postado em quarta-feira, 22 de outubro de 2014


Dia 20 de outubro de 2011 três amigas decidiram abrir um blog para falar do que elas mais gostavam. Livros. Elas não sabiam nada sobre o mundo dos blogs literários e nem que já haviam centenas deles falando sobre livros. Nosso intuito era comentar sobre livros e fazer sorteios para que o gosto por literatura aumentasse no país.
Com o blog tivemos a oportunidade de fazer parceria com o Sociedade do Livro e fazer parte do Clube do Livro na FNAC de Ribeirão Preto durante todo o ano de 2012. Foi extremamente interessante discutir em cima de um palco um livro diferente a cada mês. 
O blog decresceu um pouco depois do ano de 2012 e em 2013 o TriBooks ficou sob supervisão de duas amigas e nosso objetivo havia mudado. O blog se tornou nosso ponto de encontro para opinar sobre os livros que liamos, independente de parcerias. Durante dois anos, tivemos parceria com LeYa, Arqueiro, Novo Conceito, Universo dos Livros entre tantas outras editoras e autores. Para eles, nosso muito obrigada por acreditar em nosso potencial! 
Descobrimos que as parcerias não são fáceis de se conseguir e muito menos de manter. Receber livros todo mês para leitoras ávidas como nós era um sonho se tornando realidade, ter tempo de ler todos os livros recebidos começou a se tornar um pesadelo.
Completando três anos de blog, podemos dizer que o TriBooks se encontrou. Nunca foi intenção do TriBooks de se tornar mais um blog literário. Hoje, o TriBooks está aqui para ser um lugar onde leitores possam saber as opiniões genuínas de pessoas iguais a eles, porque também somos simples leitoras. 
O blog sempre estará aqui para quem busca saber sobre um livro ou evento e sempre estará disponível para nossos parceiros, como a editora Novo Conceito que está com a gente há um ano. 
Nossa identidade hoje é levar simples opiniões sobre um determinado livro, para que nossos leitores que tenham o mesmo gosto que a gente, tirem dúvidas se compram ou não o livro ou também conhecer um livro e buscar por dicas de leituras. 
O blog já faz parte de nossas vidas literárias e quando acabamos um livro já estamos em mente o que falar sobre ele no post e não vejo um futuro em nossas vidas sem que o blog esteja presente. 

Vida longa ao TriBooks!

TAG: TBR (To Be Read) Quero Ler

Postado em terça-feira, 21 de outubro de 2014
Vi essa TAG no blog GReads, sobre a listinha que todos nós leitores temos dos livros que queremos ler, chamados em inglês de TBR e decidi trazer aqui para o blog por achar as perguntas bem legais.

1 - Como você controla sua lista de livros que vai ler?

O Skoob me ajuda muito a controlar a lista de livros que eu já comprei e que ainda não li. Mas quase nunca o uso para catalogar os livros desejados (que serão comprados). Então eu divido entre uma lista no meu iPhone e outra na minha agenda. E olha que ambos estão cheios.

2 - Seu TBR tem mais livros impressos ou e-books?

Impressos com toda certeza. 

3 - Qual o livro que está a mais tempo no seu TBR?



Brisingr, terceiro livro da quadrilogia de Eragon. Descobri isso agora de acordo com o Skoob e estou chocada. Comprei o livro assim que saiu nas livrarias e já fazem anos!!! Está na hora de subir ele na lista.

4 - Qual o último livro que você adicionou no TBR?



Luva Vermelha, segundo livro da trilogia Gata Branca de Holly Black. Quando vi na livraria surtei! Li o primeiro livro e foi assim que minha paixão por Holly Black começou.

5 - Um livro que está na sua lista somente porque tem uma capa linda.



6 - Um livro que você colocou na lista mas que na verdade não pretende lê-lo.



Na verdade quando foi lançado eu queria muito ler, estava super ansiosa, mas li tanta resenha negativa que não pretendo ler tão cedo.

7 - Um livro que ainda não foi publicado, que já está na sua lista e que você está super ansiosa para ler.



O Bicho de Seda, por Robert Galbraith, pseudônimo da Deusa J.K.Rowling. Lançamento 1 de novembro de 2014.

8 - Um livro que está no seu TBR e que todo mundo já leu menos você.



Eu sei... #shameonme.

9 - Um livro que está na sua lista porque todo mundo te recomendou.



O Pacto, de Jodi Piccoult. Minha amiga me recomendou a escritora em sí, pois muitos livros dela são excelentes. Li 19 Minutos e fiquei encantada. Então, depois, me recomendaram O Pacto, dizendo que era um dos melhores da autora. 

10 - Um livro que está no seu TBR e que você está morrendo de vontade de ler.



Sangue e Estrelas, segundo livro da trilogia Feita de Fumaça e Osso de Laini Taylor.

11 - O número de livros que está atualmente no seu TBR de acordo com o goodreads (ou skoob).

De acordo com o skoob, tenho:

que rufem os tambores...

262 livros não lidos.


Resenha - Dublin Street de Samantha Young

Postado em sábado, 18 de outubro de 2014




Cinquenta Tons de Cinza com personagens legais. Mas ainda assim, um Cinquenta Tons de Cinza e ainda assim vale a pena a leitura.












Até que ponto pode-se dizer que é plágio uma obra? Essa foi uma das perguntas que me vieram a mente enquanto lia Dublin Street de Samantha Young. Sabe quando você pega um template pronto e faz o seu próprio blog moldando o que já existe? Young pegou Cinquenta Tons de Cinza e moldou sua história em uma pré-existente. 

Branden é um empresário super rico que não era amado pela mãe quando criança, por isso a família de seu pai sempre foi o verdadeiro lar de Branden. Ele tem uma meia-irmã chamada Ellie, que é linda, fofa, engraçada e simpática que mora em um apartamento muito grande e chique. A família de Branden é rica, perfeita, com quatro filhos e a madastra de Branden o ama como um verdadeiro filho e preza por sua segurança.

Nunca ouvi essa história antes. 

Jocelyn perdeu os pais quando era criança e tem um passado turbulento que prefere esconder, com problemas para ser social ela nunca teve um relacionamento e sempre vive fugindo das pessoas para não correr o perigo de se afeiçoar a ninguém. Quando encontra um apartamento para morar ela logo de cara gosta de sua colega de moradia, Ellie.  

Talvez se eu inverter algumas coisas entre os personagens, eu.. Bem, acho que já ouvi essa história antes. 

Jocelyn acaba conhecendo o Sr. Grey... Ops, não! Professor Gabriel Emerson. Não, não! Branden! BRANDEN!

Deixando a ironia de lado. Dublin Street utiliza-se como base o livro Cinquenta Tons de Cinza e isso fica claro em toda construção do livro. Alguns momentos são tão iguais que eu cheguei a me pegar pensando se a autora não ficou com medo de receber um processo de plágio nas costas. 

Mas não digo que Dublin Street é a copia barata de algo. Samantha faz com que nós nos afeiçoamos aos personagens, que são bem mais normais que o casal Grey e Steele. Ok, talvez seja uma copia barata sim, mas é ao menos suportável de ler. 

Branden é um Sr. Grey sem todos os problemas psicológicos que o outro personagem carrega. Ele é rico, bonzinho, amoroso, legal e engraçado. Jocelyn não tem nada de Anastasia, ela é uma mulher que tenta ser forte, independente, que herdou uma herança bilionária dos pais e não quer nenhum tipo de relacionamento. 

Young pegou Cinquenta Tons de Cinza como base, tirou a repetitividade, os complexos dos personagens, deu uma lapidada aqui e outra ali e tcharam! Nasceu Dublin Street. Mas o livro ainda assim conquista o leitor, tudo por causa dos personagens. Branden e Joss formam um casal legal, engraçado e interessante. 

Apesar da mistura já vir pré-aquecida, Dublin Street tem um toque secreto que Young coloca que o faz ser interessante para o leitor. 

Informações adicionais:

Título Original: On Dublin Street
Título Nacional: Dublin Street
Autor: Samantha Young
Lançamento: 2014
Páginas: 395
Categoria: Romance/Adulto
Editora: LeYa
Série: Sim. 

Resenha - Iluminadas, de Lauren Beukes

Postado em sábado, 11 de outubro de 2014




Estilo Cuco, de Julia Crouch. O enredo é sensacional, mas o final...










Imagine que você é a única menina de uma série de estupros que saiu viva. Você cresce querendo apenas uma coisa: ser policial para que procure casos iguais ao seu e tente evitar que monstros destruam a vida de meninas. 

Agora imagine que você é um cara que possui uma chave mágica. E que toda vez que gira a chave na fechadura da porta da frente de sua casa, descobre estar ou no passado ou no futuro. O que você faria se estivesse em posse dessa chave mágica?

Essa é a história aterrorizante de Iluminadas, de Lauren Beukes. Kirby é a menina que sofreu o estupro e que só saiu viva pela ajuda que recebeu. Ela ainda vive com medo de que o cara volte para completar o trabalho, por isso vive para aprender a se defender e entra para a policia para cuidar de casos iguais ao seu. Já Harper é o cara com a posse da chave mágica. 

Ele a usa para voltar em diferentes tempos e escolher meninas, que ele chama de iluminadas, para estuprar e matar. Kirby foi uma dessas meninas que sem querer saiu viva e desalinhou a organização meticulosa de Harper. Ela logo percebe que em determinadas épocas, que variam de 100 a 60 anos de diferença, casos iguais ao seu são relatados e fechados pela policia sem um assassino responsável. Kirby começa a se perguntar como é possível tantos anos de diferença quando um mesmo padrão é encontrado nesses estupros.

Lauren sabe escrever thrillers, isso eu posso dizer. Só a sinopse já instiga para que o leitor se interesse pelo livro. E se existisse um serial killer que pudesse pular no tempo? Como se pega um cara desses?

Em Iluminadas, nós temos a visão de Kirby e de Harper. O enredo é rápido e as ações são de tirar o folego. Eu li o livro em um dia. Não fui capaz de deixar ele na cabeceira da cama, era questão de necessidade. 

Eu precisava descobrir o final da história. Eu queria que Harper fosse pego. Poxa! Uma chave mágica existe no nosso mundo e quem encontra é um serial killer psicopata? Sacanagem, podem colocar esse cara atrás das grades.

O problema mesmo foi o final. Um pouquinho fantasioso demais, algumas pessoas podem achar que foi complacente como o jeito do livro. Eu achei um pouco demais na fantasia e um pouco de menos na explicação. 

Mas é bem estilo Cuco, de Julia. Iluminadas é aquele livro que o começo e o meio são tão extraordinariamente bem construídos e viciantes que mesmo que o final seja um lixo, vale muito a pena a leitura. 

Informações adicionais: 

Título Original: The Shinning Girls
Título Nacional: 
Iluminadas
Autor: 
Lauren Beukes
Lançamento: 
2014
Páginas: 320

Editora: 
Intrínseca
Categoria: 
Thriller

Formato: Impresso
Skoob

Resenha - Thirteen Reasons Why, de Jay Asher

Postado em sábado, 4 de outubro de 2014




Você espera muito de um livro e ele acaba não sendo nada do que você imaginava.












Eu tenho Os 13 Porquês de Jay Asher na minha estante muito, mas muito antes dele sequer ter uma editora brasileira com os direitos. A sinopse chamou minha atenção, a capa é interessante e pá! Comprei o livro. 

E ele ficou na estante durante anos e toda vez que eu o via, pensava: "Eu tenho muita vontade de ler esse livro", mas acabava não lendo. Passava ele para a próxima lista de leitura e para a próxima e para a próxima até que o Clube do Livro de Ribeirão Preto na qual eu participo (apesar de fazer aí uns meses que ando sumida) decidiu ler Os 13 Porquês

Eu adorei a escolha. Enfim eu leria o livro e agora não poderia passar ele adiante. Comecei a ler a história de Hannah e Clay no mesmo dia quando cheguei em casa. E no primeiro capítulo eu já criei uma barreira entre eu e o livro.

E isso foi o fim do nosso relacionamento de anos. 

Hannah é uma adolescente que se suicida e deixa 13 fitas contando em cada uma delas o porquê ela se matou e envia para cada um dos 13 culpados explicando porque eles tem envolvimento com seu suicídio. 

O tema é super complexo, mas o tom é muito juvenil. Hannah era uma adolescente que sofria bullying e mesmo depois das treze explicações que ela deu, eu ainda não entendi porque ela se matou. Entender, eu entendi. A palavra certa seria: aceitar. Eu não aceitei.

Talvez porque o meu mundo e o de Hannah sejam completos opostos e por nunca ter estado na pele dela, eu não tenha entendido a personagem. Para mim, cada porquê seguido de porquê ainda não era suficiente para o que ela tinha feito com ela mesma. E depois da sua morte ainda assim penalizar os agressores, eu não vi onde ela quis chegar com aquilo. Afinal ela estava morta, então não poderia ser por vingança. Ela não estaria ali para ver o que aconteceria depois... ela se matou. Ela se matou! Isso não encaixa na minha cabeça, nada do que ela tenha feito para mim faz com que a personagem seja melhor na minha visão, porque tudo volta no começo: ela era uma adolescente que sofria bullying e se matou. 

Parando para analisar o livro agora, depois de ter lido ele a algum tempo, talvez eu concorde que a escrita de Jay Asher, muito diferente da que eu li em O Futuro de Nós Dois, seja boa e tenha conquistado os leitores que vivem no mundo de Hannah e de Clay. Mas sei que ele falhou em conquistar os leitores que não vivem nesse mundo e que não passam ou que veem pessoas passar pelos problemas que Hannah passou. 

Meu relatório final para o livro é: leia se você ainda for adolescente que vive nos dias de hoje na escola. Mas se você for aquele jovem que já passou da faculdade e só tem memórias boas sobre o colegial, há outro livros sobre bullying que irão te afetar mais que Os 13 Porquês, um exemplo de um livro que aborda fantasticamente este assunto é Dezenove Minutos de Jody Piccoult e aí sim, eu poderei dizer para você: boa leitura!

Informações adicionais:


Título Original:Thirteen Reasons Why
Título Nacional: Os 13 Porquês
Autor: Jay Asher
Lançamento: 2007
Páginas: 304
Categoria: Juvenil
Editora: Razorbill
      No Brasil: Editora Ática
Série: Não
Formato: Impresso

Resenha - Cidade das Cinzas, de Cassandra Clare

Postado em sábado, 27 de setembro de 2014




Sabe quando você dá uma segunda chance para alguém e acaba valendo a pena? Eu dei uma segunda chance para Cassandra Clare.











Confesso que quando eu li Cidade dos Ossos, primeiro volume da saga Os Instrumentos Mortais, de Cassandra Clare eu não estava em um momento bom para ler fantasias juvenis e o que aconteceu foi que eu quase quis me matar enforcada quando li o livro de tão angustiante que foi a leitura. 

Eu não me lembro do porquê eu não estava em um momento bom, mas hoje, depois de ter lido o segundo livro da saga, Cidade das Cinzas, cheguei a conclusão que eu posso ter sido influenciada por questões exteriores. 

É isso ou realmente o primeiro livro é pior que os outros da saga. O que acontece. Conversando em uma roda de amigos já escutei gente falando que eu precisava superar o primeiro livro da série Academia de Vampiros porque o sexto e último livro da saga valia muito a pena o fiasco dos outros cinco livros. 

É... não. Não vou ler cinco livros ruins para chegar em um futuro sexto que é  bom. Ok, talvez eu tenha comprado o primeiro e ele esteja na minha estante, mas só para eu tirar a curiosidade se ele é ruim mesmo. 

Se me perguntarem o que achei de Cidade dos Ossos, eu continuo com a mesma opinião de dois anos atrás. Não gostei. Mas eu gostei do trailer do filme, achei o filme legalzinho e como eu já havia comprado o segundo livro junto com o primeiro, resolvi dar outra chance para Cassandra Clare. 

Eu quero gostar da autora! Ela gosta de Harry Potter, tem uma cara simpática, escreve fantasia e tem anjo envolvido no enredo. 

É uma questão de honra gosta de Cassandra Clare. Mas também é uma questão chamada "Tenho criatividade excelente, mas não sei escrever bem". Talvez seja isso que aconteça com a autora. Ou sou eu mesma que ainda não engoli o fato de que Claire e Jace podem ser irmãos (eu sei que eles não são, mas aquilo no primeiro livro ficou na minha cabeça e não sai nunca mais). 

Vocês podem dizer que Cersei e Jaime também são irmãos e eu ainda assim acho que George Martin é o Deus da Escrita. Acabei de comparar Cassandra Clare com Martin, vamos parar por aqui para não ficar mais vexaminoso ainda. 

A questão é que eu gostei de Cidade das Cinzas. Não foi uma leitura torturante igual ao primeiro livro. Foi...legal. Sabe quando você entra na livraria e avisa para o amigo "esse livro é legal"? Cidade das Cinzas é legal. 

Se eu tivesse comprado o terceiro livro eu com certeza abriria ele depois de terminada a leitura do segundo para continuar com a história de Claire. A escrita de Cassandra ficou visivelmente melhor no segundo livro da série e te chama para continuar a leitura do livro. Mais ações acontecem e mistérios são colocados no ar. 

As aventuras também são bem mais interessantes que Cidade dos Ossos

Ainda que eu ache a ideia da autora mais sensacional que seu estilo de escrita, Cidade das Cinzas provou que as vezes precisamos dar uma segunda chance para o autor e que muitas vezes não iremos nos arrepender do ato. 

Informações adicionais:

Título Original: City of Ashes
Título Nacional: Cidade das Cinzas
Autor: Cassandra Clare
Lançamento: 2011
Páginas: 404
Categoria: Juvenil/Fantasia
Editora: Galera Record
Série: Os Instrumentos Mortais. Livro 2.
Formato: Impresso